Jose Antonio Lourenço Jose Antonio Lourenço, Perspetivas do Calvário

Perspetivas do Calvário

Mat. 27:25

Introdução

Designa-se por Calvário a morte do Senhor Jesus na Cruz e a sua ressurreição ao terceiro dia. Em termos teológicos, Calvário é mais do que uma palavra ou um substantivo, é mais do que um lugar geográfico em Jerusalém.

O Calvário representa um projecto divino e a Obra consumada por Jesus Cristo, o Filho de Deus, que envolveu a entrega da sua vida na cruz e a sua ressureição.

Em termos bíblicos, o acontecimento em si é dos mais relevantes e importantes da história da humanidade, uma vez que nada é mais importante do que a salvação ou a perdição, o Céu ou o inferno - e aqui, o Calvário é decisivo para toda a gente! Desejo analizar convosco, as várias perspetivas do Calvário.

A perspetiva turística do Calvário

Luc. 23:37

«E seguia-o grande multidão de povo e de mulheres, as quais batiam nos peitos e o lamentavam.»

O Calvário geográfico é, possivelmente, o lugar mais visitado do planeta. Fica algures em Jerusalém e para lá se encaminham muitas excursões: aviões e autocarros cheios para visitar o Calvário - o lugar onde Jesus Cristo terá morrido.

O objetivo é ver o local, visitar o sepúlcro vaziu, trocar impressões, tirar fotografias e regressar para contar a história.

Os russelistas, interpretam o Calvário à sua maneira; os mormons também. Os maumetanos argumentam que Meca é superior e continuam maumetanos. Os induístas expressam as suas opiniões, os católicos romanos fazem as suas lamentações. Toda a gente viu, argumentou e voltou na mesma.

O Calvário turistico não gera perdão para os pecados, não tem salvação para oferecer. O Calvário que dá perdão e salvação é mais do que um lugar geográfico, é mais do que um túmulo vaziu, é mais do que um album de fotografias.

O Calvário que dá perdão e salvação é aquele descrito no evangelho que relata a história da morte do Senhor Jesus Cristo como nosso substituto, no poder do seu sangue remidor e na sua ressurreição de entre os mortos.

Os maumetanos acreditam que faz parte da sua salvação ir a Meca pelo menos uma vez na vida. O calvário turístico não salvará ninguém, ainda que se vá lá muitas vezes.

O Calvário religioso

Luc. 23:37

«E seguia-o grande multidão de povo e de mulheres, as quais batiam nos peitos e o lamentavam.»

O calvário religioso é o Calvário das manifestações, das procissões, do cerimonialismo. A religião apresenta a estátua de um cristo inventado, semi-nu, a escorrer tinta vermelha, com feridas pintadas no corpo, a barba crescida, a cabeça pendurada com uma corôa de espinhos.

Os religiosos percorrem as ruas em procissão e até fazem o enterro do senhor morto. Eles ficam muito comovidos, batem no peito perante as imagens macabras e manifestam a sua pena e compaixão.

Mas mesmo assim ninguém é perdoado pelos seus pecados, ninguém é salvo, porque o calvário religioso não demonstra o nosso pecado, não apela ao arrependimento e não salienta o valor do sangue de Jesus.

O calvário religioso não tem por objetivo a salvação dos pecadores - faz apenas parte do programa das festas.

As pessoas com uma perspetiva religiosa do Calvário poderão cair no inferno se não se arrependerem dos seus pecados, se não crerem e se não aceitarem o Salvador. Jesus disse: «…​se não vos arrepender-des, todos de igual modo perecereis.»

O calvário religioso trata o Calvário pela aparência, pela "rama", quando a salvação está na "cepa", isto é: Cristo morreu como nosso substituo, em nosso lugar.

A Bíblia diz: «Aquele que não conheceu pecado, Deus o fez maldição por nós, para que Nêle fôssemos feitos justiça de Deus». E ainda (Isa. 53:6): «Todos nós andamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho: mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos.»

A perspetiva perversa do Calvário

Mat. 27:25

«E, respondendo todo o povo, disse: O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos.»

Os judeus tomaram uma atitude perversa acerca do Calvário. Quando disseram «…​o seu sangue caia sobre nós e sobre os nossos filhos.» Eles estavam a dizer: Nós não cremos, não aceitamos Jesus como o nosso Messias; nós assumimos a responsabilidade pela sua morte. Soltem Barrabás.

Os judeus têm pago com muito sangue e lágrimas a loucura destas palavras: «…​O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos.» Foram dispersos e perseguidos por todo o mundo - só na Alemanha foram mortos seis milhões no Holocausto, dos quais um milhão e meio eram crianças, cujo crime foi somente terem nascidos judias.

Mesmo estando nas imediações do Calvário, com o Salvador diante dos olhos, e com a salvação borbulhando aos seus pés, muitos judeus do tempo de Jesus caminharam para o inferno, porque tiveram uma perspetiva perversa do Calvário. Em vez de clamarem a Jesus para que os perdoasse através do seu sangue, disseram, «O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos.»

Muita gente que assistiu á cruxificação, teve uma perspetiva perversa do Calvário: Enquanto Jesus agonizava na cruz durante seis longas horas e o seu sangue corria até ao chão, enquanto Ele orava ao Pai dizendo «Pai perdôa-lhes, porque não sabem o que fazem», muitos tiveram uma pespectiva perversa: os príncipes zombavam, os soldados escarneciam, outros lançavam sortes sobre a túnica de Cristo, e os judeus gritavam: «O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos.» Isto apesar de Deus estar demonstrando a prova máxima do seu amor por nós - porque a Bíblia diz em Rom. 5:8: «Mas Deus prova o seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.» Apesar de Jesus Cristo, estar oferecendo a sua vida imaculada em substituição dos pecadores, a maioria dos pecadores presentes, teve uma perspetiva perversa do Calvário, blasfemando, zombando, desafiando! Todas estas pessoas, apesar de terem o Salvador diante dos seus olhos, foram para o inferno! Com o sangue remidor escorrendo aos seus pés, irão comparecer perante o trono branco, no Juízo Final, para responder pelos seu pecados, porque recusaram a remissão.

É que o Calvário, quando aceite com arrependimento e fé, salva o pior dos pecadores e torna-o num filho de Deus. Mas o Calvário rejeitado, pervertido, produz perdição eterna.

Atravéz dos tempos, o Calvário tem salvo muita gente que reconhece os seus pecados, se arrepende e aceita o Salvador. Mas muita gente tem tomado uma atitude perversa e morrido sem a salvação.

O calvário que salva é também o Calvário que condena. Jesus mesmo disse: «…​quem crer será salvo e quem não crer será condenado.»

Não há neutros em relação ao Calvário. Jesus morreu por todos. Todos somos pecadores. Os que crerem serão salvos e os que não crerem serão condenados, INFALIVELMENTE!

Infelizmente, a maioria das pessoas não encara o Calvário a sério! Não lhe dá o devido valor. Uns têm uma perspetiva turística, outros rêm uma perspetiva religiosa, outros não lhe dão importância e outros simplesmente o recusam. Tudo isto cabe na perspetiva perversa do Calvário. Só os que crêm têm a perspetiva certa e serão salvos.

A perspetiva do Calvário da Salvação

Luc. 23:40-43

«Respondendo, porém, o outro, repreendia-o, dizendo: Tu nem ainda temes a Deus, estando na mesma condenação? E nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o que os nossos feitos mereciam; mas este nenhum mal fez. E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu Reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.»

O Calvário da salvação não é tanto um lugar geográfico, não tem que ver com turismo e pouco tem que ver com religião.

O Calvário da salvação é concretamente a obra consumada por Jesus Cristo na cruz. É a demonstração do amor de Deus pelos pecadoores.

A Bíblia diz em João 3:16 «Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.»

O Calvário da salvação é coisa muito séria! Jesus deu a sua vida, fez-se maldição por nós, foi cruxificado na Cruz como nosso substituto, foi sepultado e ao terceiro dia ressuscitou e se apresentou como o Senhor todo poderoso no Céu e na Terra.

É aqui, no Calvário da salvação, que se determina o nosso destino - para o Céu ou para o inferno. O sangue que Jesus derramou na cruz é, segundo Deus, o único meio para remissão dos nossos pecados: uma vez aceite, ele perdoa e salva; sendo recusado, só resta a perdição.

Por isso Jesus disse: «…​quem crer será salvo e quem não crer será condenado.» O calvário tem que ver com todos nós. Ou vai salvar-nos ou vai condenar-nos - depende da nossa perspetiva:

  • A perspetiva turística não perdoa os nossos pecados nem nos torna filhos de Deus. Caminhamos para o inferno carregados de fotografias.

  • A perspetiva religiosa pode provocar as nossas emoções e até as nossas lágrimas. Mas porque é superficial, não gera a convicção do pecado. O arrependimento e a conversão passam ao lado, e sem o arrependimento e a conversão não pode haver salvação.

Jesus disse: «…​se não vos arrepender-des, todos de igual modo perecereis.»

  • A perspetiva perversa do Calvário, (que significa, ouvir o evangelho e não crer e não aceitar, não se arrepender e desprezar) envia diretamente para a perdição.

  • A perspetiva do Calvário da salvação é a que cada um de nós precisa ter. É a perspetiva que é apresentada pela Sagrada Escritura, é a perspetiva anunciada pela pregação do Evangelho. É a perspetiva que convence do pecado, da justiça e do juízo, pelo Espírito Santo.

O ladrão que foi cruxificado ao lado do Senhor Jesus, teve a perspetiva certa do Calvário. Ele viu na morte de Jesus a sua salvação e foi salvo! Ele orou: «E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu Reino. E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso.»

O Calvário vai determinar o destino eterno de cada um de nós. O meu destino eterno já está marcado, desde o dia em que me arrependi dos meus pecados e aceitei o Senhor Jesus como meu salvador pessoal.

Onde queres tu passar a eternidade depois da morte? No Céu com Deus e os seus santos Anjos, ou no inferno sem Deus, com o diabo e seus demónios? Tudo depende da tua perspetiva.

Convido-te hoje a reconheceres os teus pecados que levaram Jesus à cuz, a te arrependeres e a aceitares no teu coração, pela fé o Salvador.

Publicado em 2016-08-04

Para Trás

Para Trás